Quando o paciente é alérgico ou sofre efeitos colaterais graves decorrentes do uso de medicamentos, em casos de insuficiência de função do fígado ou dos rins, pacientes com histórico de hemorragia gástrica ao tomar analgésico e/ou anti-inflamatório ou idosos que necessitam tomar muitos remédios.

Pacientes hipertensos ou diabéticos que pioram com o uso de analgésicos ou anti-inflamatórios.

Da mesma maneira, nos pacientes em pós-operatório de cirurgias cardíacas, o uso da acupuntura é recomendado.

Em mulheres em período de gestação ou de amamentação, o uso de acupuntura deve ser a primeira escolha para o tratamento de diversos sintomas, inclusive da depressão pós-parto.

O efeito da acupuntura em pacientes acometidos por estes vícios resulta principalmente, na redução da ansiedade, o que ajuda no controle da compulsão e do uso de drogas.

Estas condições exigem um tratamento por uma equipa multidisciplinar, sobretudo em casos de dependência de álcool e de tóxicos.

A aplicação de acupuntura aumenta a circulação sanguínea e a libertação de neurotransmissores (substância P, somatostatina) e estimula a proliferação de fibroblastos que produzem fibras colágenas no tecido conjuntivo.

Além disso, melhora o equilíbrio emocional e normaliza os níveis hormonais.

Deste modo, rugas de expressão, dermatite seborreica, acne, estrias recentes, “olheiras” e queda de cabelo de origem psicogénica são atenuadas pela acupuntura.

Varia de acordo com o estado clínico do paciente, natureza e gravidade da doença.

Em geral, prescreve-se uma a duas sessões semanais. Conforme a evolução clínica, determina-se maior ou menor frequência às sessões e estima-se o número total de procedimentos a serem aplicados.

Na maioria dos casos, efetua-se um ciclo de seis tratamentos, depois espaça-se para quinzenal, mensal e terminando.

Frequentemente, os pacientes procuram a acupuntura como última opção de tratamento por desconhecerem essa modalidade de terapia.

Dessa forma, ao iniciar a terapia com esta técnica já apresentam grandes alterações estruturais, comportamentais e transtornos psicológicos.

Em boa parte dos casos, os pacientes são pessoas idosas, acometidas por doenças crónicas. Por essas razões, alguns podem necessitar de tratamento mais prolongado.

Por isso, a duração de tratamento em alguns casos pode ser longa.

Depende do tipo e do tempo de evolução e do processo degenerativo da doença, além das técnicas adequadas de acupuntura utilizadas.

Geralmente, em quadros agudos, sem lesão estrutural, o efeito é imediato.

Em casos crónicos, o efeito pode ocorrer a partir da quinta sessão.

Por exemplo, em casos de dor lombar por contratura muscular, quase sempre a melhoria é mais rápida, podendo haver melhoria significativa após a primeira aplicação.

Em contrapartida, em casos de osteoporose, traumatismo ou tumor, a resposta é mais lenta e deve, nesses casos, ser associada a analgésicos, porém em menor dosagem, e, consequentemente, com menos efeitos colaterais.

Alguns estudos sugerem que a partir da quinta aplicação, 50% dos pacientes teriam melhoria de 50% da dor.

Cerca de 80% dos pacientes respondem bem à acupuntura, enquanto os outros 20% reagem mais lentamente.

Não, mas pode melhorar parcialmente a imunidade, auxiliar no tratamento das dores, depressão, transtornos emocionais e falta de apetite, ou seja, a acupuntura promove a melhoria da qualidade de vida.

Em casos de pacientes que se submetem à quimioterapia ou à radioterapia, é notável o efeito da acupuntura na redução das náuseas e dos vômitos.

As agulhas de acupuntura não contêm medicamentos.

A ação terapêutica deve-se ao estímulo das agulhas em determinados pontos, fazendo com que o próprio organismo liberte várias substâncias neurotransmissoras, que exercem ação analgésica, relaxante e anti-inflamatória, entre outras, aliviando a dor e gerando sensação de bem-estar.